Image default
Artigos Mercado

E-commerce: entenda agora quais são os diferentes tipos e modelos

O futuro está no e-commerce. Esta é uma das fortes mensagens confirmadas durante a pandemia. Mas qual tipo de e-commerce estamos a falar? Afinal, qualquer negócio pode tornar-se um comércio eletrónico?

Atualmente, os websites de e-commerce englobam desde lojas virtuais especializadas em B2B, até grandes retalhistas focados no cliente final. Assim como também existem as plataformas com os mais variados tipos de serviços.

Nesse contexto, para esclarecer as características que diferenciam alguns tipos de e-commerce, selecionámos neste artigo três tipos de comércio eletrónico e três tipos de canais de venda. Acompanhe e veja como funcionam.

Os três tipos de e-commerce

Existem diferentes maneiras de classificar os tipos de e-commerce. Primeiramente, vamos fazer esta classificação com base nos bens negociados. Desta maneira, temos o e-commerce de acordo com a venda dos produtos, neste caso os físicos e digitais, assim como os comércios por serviços.

1# E-commerce de produtos físicos

Este é o caso das lojas online que vendem produtos físicos. Ou seja, é o tipo de e-commerce que vende roupas, calçados, produtos eletrónicos ou outros tipos de objetos.

Normalmente, a compra nessas lojas é feita a partir de uma pesquisa na internet. Por exemplo, quando queremos algum produto específico e fazemos uma busca diretamente no Google. Igualmente, é possível fazer uma pesquisa diretamente no website da marca. Lá, a compra é feita e o cliente recebe o produto físico em casa.

São exemplos deste tipo de comércio eletrónico gigantes como a Amazon, eBay e Alibaba.

2# E-commerce de produtos digitais

Nem só da compra de objetos são feitos os e-commerces. É cada vez mais comum a oferta de produtos digitais. Um exemplo disso é o aumento da oferta de cursos online durante a pandemia.

Além da venda de objetos, o comércio eletrónico possibilita a venda de produtos digitais. Assim como é possível vender um eletrodoméstico pela internet, também pode-se comercializar cursos, aula de ioga, explicações, e-books, relatórios, entre tantos outros conteúdos disponíveis apenas no formato digital.

Existem plataformas como a Coursera destinadas a este tipo de e-commerce, com foco em programas de estudo. Da mesma forma há diversos websites com a venda de produtos específicos de cada tema.

A compra neste tipo de e-commerce é semelhante ao do comércio de produtos físicos. A venda concretiza-se após o preenchimento de alguns dados e do pagamento eletrónico. No entanto, neste caso o acesso ao produto acontece através do e-mail ou de alguma plataforma.

3# E-commerce de serviços

Simultaneamente há o e-commerce de serviços. Basicamente, este é o tipo de comércio eletrónico voltado para a oferta de serviços através da internet.

Portanto, estão incluídos nesta área os trabalhadores autónomos, consultores ou freelancers. Ou seja, profissionais de diferentes setores que oferecem os seus serviços através dos meios digitais.

Da mesma forma, também podem ser considerados como e-commerce de serviços o acesso a ferramentas digitais. A venda neste tipo de e-commerce varia, podendo ocorrer de forma direta ou com intermédio de aprovação.

Os três tipos de canais de venda para e-commerce

Como vimos, os negócios de e-commerce podem distinguir-se consoante os produtos ou serviços que vendem, as partes envolvidas no negócio ou as plataformas utilizadas para gerir o processo.

Agora, vamos saber mais sobre os canais de comércio eletrônico que funcionam também nas redes sociais, em dispositivos móveis e na televisão. Confira!

S-commerce: o e-commerce das redes sociais

A modalidade Social commerce, conhecida como s-commerce, refere-se às lojas virtuais criadas nas redes sociais. Este tipo de canal funciona quase como um intermediário na venda, pois os consumidores encontram os produtos através das páginas ou perfis das marcas nas redes, mas acabam por efetuar as compras o website oficial da empresa.

Um exemplo muito conhecido de s-commerce é o Facebook. Há algum tempo a essa rede permite que os donos de páginas listem os seus produtos, criando uma loja virtual acessível e conectada diretamente à página da marca.

M-commerce: e-commerce na palma da mão

Com a popularização dos smartphones, aumentaram também as compras através destes dispositivos. As compras feitas pelo telemóvel ou tablet caracterizam a modalidade de e-commerce conhecida como mobile commerce (m-commerce).

Os negócios focados nesta mobilidade precisam de investir em aplicações próprias ou dar mais atenção à responsividade dos seus websites – o que significa adaptar ao máximo a página para ser aberta em dispositivos móveis.

T-commerce: o e-commerce está na televisão

O TV-commerce, ou t-commerce, é a modalidade de e-commerce que possibilita a conexão entre as funcionalidades da smart TV e do sinal digital das televisões ao comércio eletrónico. Trata-se daquelas informações e opções de compra que aparecem durante um programa de TV, através dos recursos interativos.

Este é o modelo de e-commerce menos difundido até então, se compararmos com os outros dois. No entanto, esta é uma opção a ser explorada e que pode trazer diversos benefícios para os negócios.

Que saber mais sobre as novidades no e-commerce? Então, não deixe de acompanhar os nossos posts diários aqui no Ecomnow!

Related posts

Como tornar o motor de pesquisa numa verdadeira arma de vendas?

admin

Estudo prevê crescimento de até 60% no e-commerce português

admin

Nestlé e parceiros apoiam Banco Alimentar

admin

Deixe um comentário