Image default
Mercado Notícias

Estudo prevê crescimento de até 60% no e-commerce português

O e-commerce B2C cresceu 20% em Portugal durante o ano de 2019. Com a pandemia, a perspetiva é de que este crescimento seja ainda maior, alcançando de 40% a 60% em 2020.

Os dados são do estudo CTT e-Commerce Report 2019. A divulgação do documento ocorreu agora em novembro, no CTT e-Commerce Day.

Segundo o relatórios, no ano passado, o valor total alcançado pelo e-commerce português foi na ordem de 5,9 mil milhões de euros. A tendência de aumentar este valor em até 60% é fruto de uma mudança de hábito entre os consumidores.

O estudo concluiu que cada vez mais portugueses têm procurado o comércio eletrónico. 51% dos consumidores com acesso à internet fizeram pelo Meno uma compra online durante o ano de 2019.

Embora esteja ainda um pouco abaixo da média dos países do Sul da Europa (55%), o número de portugueses que optou por comprar na internet é 4% maior em comparação ao de 2018. Além disso, a estimativa é que até o final de 2020, esta percentagem chegue a 56%.

Além do número de compradores, aumentaram também o número de compras nos e-commerces e o montante gasto em cada produto — 15,8 compras anuais, com gasto médio de 51,1 euros. Para este ano, a previsão é que o número de compras suba para 19,5, com valor médio por compra de produtos em 56,6 euros.

E-commerce: o perfil do comprador e a origem das compras

O estudo do CTT também analisou o perfil do e-buyer português. Em suma, tratam-se de mulheres (51,5%), com idades entre 24 a 54 anos (77,3%), que vivem em cidades como Lisboa e Porto, e têm um perfil escolar e rendimento superior do que a média nacional.

Outro aspeto apontado no relatório é em relação à origem das compras. A China ainda é a origem mais referida entre os portugueses, seguida da Espanha e do Reino Unido. Porém, nos últimos dois anos houve um crescimento nas compras em websites de Portugal em comparação com as compras internacionais.

Esta aceleração faz parte das mudanças de hábitos durante a pandemia. Uma vez que a conveniência segue a ser o principal fator de compra no comércio eletrónico. Na sequência o estudo aponta o preço e a mobilidade.

Para aceder a mais informações sobre e-commerce, siga as nossas atualizações aqui no portal EcomNow.

Related posts

Como tornar o motor de pesquisa numa verdadeira arma de vendas?

admin

Agora é possível comprar com MB Way no Dott

admin

Mercadão é “Marca do mês” pelo nono mês consecutivo

admin

Deixe um comentário